quinta-feira, 7 de abril de 2011

O Morro dos Ventos Uivantes - Emily Brontë



Amor, Loucura, Desejo e Vingança. Esses são os principais elementos na obra prima e única de Emily Brontë que dá nome ao post. Escrito em 1847 e tratando da sociedade corrente daquela época, possuiu uma linguagem rebuscada e que dificulta um pouco a leitura para quem não está acostumado. Clássico da literatura britânica, não podia ser classificado de forma menor, por trazer em seu enredo personagens e enredos impactantes porém, ao mesmo tempo, apaixonantes.

Um novo locatário chega na fazenda Granja dos Tortos e resolve conhecer o seu senhorio, morador da fazenda homônima ao livro, Morro dos Ventos Uivantes. Sr. Lockwood ao chegar, se depara com um lar estranho a ele, repleto de brutalidade, ódio e escuridão, comandados por Heathcliff, o dono de ambas as terras. Curioso pelo comportamento de todos os moradores daquele lugar, o novo morador da Granja pede para a ama de sua fazenda Srta Nelly para contar a história das fazendas.

Nelly tem um jeito único e parcial de contar a história, sempre deixando claro sua opinião sobre hábitos, pessoas e ações. E é desse modo que conhecemos o amor que unia Heathcliff e Catherine Earnshaw. O primeiro era um órfão "esquisito" cujo o patriarca trouxe de uma de suas viagens e que resolveu adotar, contrariando a opinião de todos os outros membros da família e da própria Nelly. O problema era que o patrão que tanto gostava desse adotado morre deixando toda sua fortuna, terras e criados aos cuidados de seu filho mais velho, Sr. Hindley. Amargurado pelo afeto do pai ao órfão, ele transforma a vida de todos e de Heathcliff em um inferno.

Contudo, Catherine, irmã mais nova de Hindley, se afeiçoa imediatamente após a chegada a Heathcliff, participando com ele de peripécias, trabalhos e castigos. Conforme crescem em meios tão conflituosos, os sentimentos desses dois se fortalecem a ponto de ela declarar: "Eu sou Heathcliff". Porém, ela não poderia se casar com ele por conta de morais sociais, levando-os a se separar e ao amor deles, inatingível, se transformar em um grande desejo de vingança que duraria duas gerações de ambos.

A história é recheada de extremos. Um amor levado ao ápice que se converte em loucuras, uma união que não acaba nem com a morte, um homem marcado pelo ódio e pela obsessão. O leitor é tragado em meio a história dolorosamente escrita por Brontë, em que o próprio "Morro dos Ventos Uivantes" é uma personagem que sofre e se transforma de acordo com os sentimentos dos personagens envolvidos.

Uma leitura clássica, que para muitos pode ser chata, para mim foi deliciosa. É uma dica de literatura que com certeza vale a pena conhecer e ler. Aproveita-se a edição nova que a relaciona a Crepúsculo - pela mera citação do livro no texto, mas tudo bem - que pode ser ótima por fazer aproximar os adolescentes de algo tão profundo quanto o amor de Catherine e Heathcliff. Espero que gostem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário