segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Desabafos e outras formas de reflexões #2: Escrita


Todo mundo já falou o que é a escrita e expressou isso em diversos conceitos dos simples aos metafóricos: Escrita é um arte, é um sacrifício, é morrer, é dar vida a outras pessoas, é libertar-se, é recriar-se, é dar asas a imaginação, é um trabalho, é diversão, e por aí vai. E o mais interessante disso tudo é que todas as respostas para a pergunta a respeito dessa ação por mais paradoxais que sejam é plenamente correta.

Quando a gente decide escrever alguma coisa – qualquer coisa que seja – lidamos com uma série de questões que vai muito além do simples ato. Primeiro, quem nunca enfrentou um bloqueio? É impressionante como é só sentar na frente do computador ou estar com um papel e caneta na mão pronto para colocar suas ideias quando – PUF – a sua mente formata. Isso aí? O chamado “deu branco” é um inferno! Tudo some e você não consegue escrever uma linha que preste. Tudo o que você tinha até então já era, se perdeu no fundo da sua cachola sem deixar endereço. Agora repara bem, é só você deitar para dormir, que o mundo ali dentro da cabeça se abre para a criatividade. Histórias e textos completos e lindos são montados de forma complexa e num português que dá vontade de chorar. Aí, penso: “Se eu correr, eu consigo colocar isso tudo num papel/pc/ gravador de voz do celular”. Mera ilusão. Das duas uma: Ou eu tenho que aproveitar meu inconsciente que é mais criativo, ou eu tenho que deixar meu notebook ligado a noite inteira para a mente esvaziar tão completamente.

Existem outras situações como essas, por exemplo, tomar banho. O momento é um dos menos oportunos para uma ideia aparecer, mas é o que mais ocorre. E no final do banho ela escorre para o ralo junto com todas as impurezas do corpo lavadas e você quando volta para escrever não tem mais nada. Ainda há situações mais graves, o bloqueio total e irrestrito, você simplesmente não consegue formular uma frase coerente mesmo querendo muito. É triste, você chora, esperneia, se força, mas nada acontece. Não se preocupe, todos os maiores escritores do mundo já passaram por isso. O problema é que eles podiam ter musas inspiradoras, e nem sempre artigos científicos podem ser inspirados por uma nova paixão... Mas... já é um consolo saber que Shakespeare já passou por tudo isso.
Além do bloqueio também existe o problema oposto. Sim! O excesso de ideias também causa complicações. É como um trânsito, em que os assuntos se algomeram querendo descer por um único canal que são seus dedos – para um computador ou caderno.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

[Novidades] Editora Arqueiro e Sextante


Já estamos na reta final do ano e dois livros são os destaques até dezembro. Sessão de Terapia, livro baseado na série de TV do GNT que tem 9,5 milhões de espectadores e é dirigida por Selton Mello. Sucesso na TV, o cotidiano dramático de um psicólogo e seus pacientes ganha agora nova dimensão ao levar o leitor para o universo pessoal do terapeuta. Theo e tudo o que aconteceu com ele enquanto Júlia, Breno, Nina, João e Ana estavam em terapia.

Pela Sextante, a aposta é Maestria, de Robert Greene, é mais que indicado para os leitores de Malcolm Gladwell e mostra que qualquer um pode alcançar a excelência em 20 mil horas de estudo e prática.

Para a alegria dos fãs de uma boa história de espionagem, a Arqueiro traz Anjo Caído, terceiro livro de Daniel Silva publicado pela editora e protagonizado por Gabriel Allon.

Onde mora a coragem tem uma comovente história sobre o verdadeiro heroísmo, do autor Stanley Gordon West, que publicou sozinho e vendeu 40 mil livros de mão em mão antes de ser descoberto por uma editora.

O francês Pela luz dos olhos seus, de Janine Boissard, já vendeu mais de 300 mil exemplares e vai deixar o leitor com lágrimas nos olhos ao contar a história de Claudio, um tenor cego, e sua confidente, Laura.

Por fim, a Arqueiro lança uma nova edição do clássico Marcoré, vencedor do Prêmio de Romance da Academia Brasileira de Letras que estava há mais de 20 anos fora do mercado.