domingo, 11 de fevereiro de 2018

[RESENHA] Amante Sombrio - J. R. WARD



Nas sombras da noite, em Caldwell, Nova York, desenrola-se uma sórdida e cruel guerra, entre vampiros e seus carrascos. Há uma irmandade secreta, sem igual, formada por seis vampiros defensores de sua raça. Ainda assim, nenhum deles deseja a aniquilação de seus inimigos mais que Wrath, o líder da Irmandade da Adaga Negra. Wrath é o vampiro de raça mais pura dentre os que povoam a terra e possui uma dívida pendente com os assassinos de seus pais. Ao perder um de seus mais fiéis guerreiros, que deixou orfã uma jovem mestiça, ignorante de sua herança e destino, não lhe resta outra saída senão levar a bela garota para o mundo dos não mortos. 

Traída pela debilidade de seu corpo, Beth Randall se vê impotente em tentar resistir aos avanços desse desconhecido, incrivelmente atraente, que a visita todas as noites envolto em sombras. As histórias dele sobre a Irmandade a aterrorizam e fascinam. Seu simples toque faísca, um fogo que pode acabar consumindo a ambos.



Bem-vindo ao maravilhoso mundo do ciúme — pensou. — Pelo preço de sua entrada, obtém uma Maldita dor de cabeça, um desejo quase irresistível de cometer um homicídio. E um complexo de inferioridade.

Viva!


A jornada pelo incrível mundo da Irmandade das Adagas Negras começa por Wrath, simplesmente o líder do grupo e o que devia ser Rei de toda a raça. Um armário cheio de poder, violência e sensualidade. Homem de poucas palavras e que, apesar de ser enorme e um assassino brutal, não tem amor-próprio nenhum. Se menospreza por conta de seu passado e da morte dos seus pais. Tem os olhos mais verdes que já existiram, porém estão escondidos atrás de um grosso óculos escuros já que é quase cego. Ele é o vampiro de sangue mais puro existente e rejeita a sua posição de monarca por não se julgar capaz de fazê-lo.

Até que um dos membros da Irmandade e seu amigo, Darius, lhe pede que ajude a sua filha mestiça a passar pela transição. Dois problemas: ela não sabe quem e o quê é o pai, nem ela própria; e Wrath não gosta dos humanos por tudo que sofreu por eles antes da transição e das perseguições posteriores. Ele nega o pedido, obviamente. Porém, Darius morre logo depois. Então, ele se vê na necessidade de fazer cumprir o último desejo do Irmão.

Assim, ele conhece Beth. Repórter, independente, viveu em orfanatos e pelo sistema e agora vive apenas com um gato chamado Boo. Amiga de policiais que a ajudam nas suas matérias, ela escapa de uma tentativa de estupro por playboys, quando Wrath aparece a primeira vez no seu apartamento. Também somos apresentados a Butch, ou Bonzão, que é um tira amigo de Beth e que também é arrastado para o mundo dos vampiros junto com ela.

O relacionamento de Wrath e Beth é explosivo e intenso. Quando li, eu achei que tudo aconteceu muito rápido, porém entendo que rolou uma química de pele. Eles foram atraídos logo no primeiro encontro e as raízes vampíricas de Beth clamou quando o viu. Ela sentiu curiosidade pelo mundo que foi apresentada, apesar do descrédito inicial super natural. Somos apresentados a um mundo em que os machos são incrivelmente territoriais e protetores com relação a fêmeas. Também somos informados que os sentimentos dos vampiros são muito mais fortes e reais que os dos humanos, incluindo a questão do amor. O macho se vincula a fêmea e a marca como posse. Aí as feministas ficam loucas... Como assim?! Mas calme, como eu falei, eles tem uma coisa meio animalesca... E depois da vinculação, eles quase morrem quando algo acontece ao par. É uma coisa orgânica e intensa. Uma ligação que se espalha pelo cheiro, pelo corpo e pela mente.

Acompanhamos também duas personagens além: o redutor Sr. X e sua tentativa de descobrir a Irmandade e recrutar novos humanos. E somos levados o tempo todo a odiar a Sociedade Redutora, porque eles são nojentos, absurdos e horrorosos. Eles são malignos, cruéis e sem alma.

A outra personagem é o Dr. Havers, o médico dos vampiros. Um homem amargurado por sua companheira ter morrido e que não deseja beber sangue de outra fêmea. Sua irmã, Marissa, tem um relacionamento meio que de fachada com Wrath, que ele não aprova. Aliás, ele odeia o Irmão em questão.

Também somos apresentados a todos os outros vampiros da Irmandade e a Fritz, um vampiro servo (doggen) que é um fofo! Eu confesso que nesse livro, apesar do Wrath ter ganhado o meu coração, quem o roubou de vez foi Rhage - a quem o próximo livro é dedicado (para nossa alegria).

O livro é grosso, mas você não sente as páginas passarem (só nas partes dos redutores que se engasga um pouco). A escrita é uma delícia e os personagens são cativantes, os rituais e características são muito bem descritas e criadas. Os sentimentos são reais e você sente também. Você termina louco pra ir pro próximo, ainda mais por saber que é o Rhage. Porém, vai aquele aviso: livro para MAIORES DE 18, porque tem várias cenas super sexuais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte o que você achou da postagem