quarta-feira, 2 de maio de 2012

[RESENHA] Um Mundo Brilhante - T Greenwood

Quando o professor Ben Bailey sai de casa para pegar o jornal e apreciar a primeira neve do ano, ele encontra um jovem caído e testemunha os últimos instantes de sua vida. Ao conhecer a irmã do rapaz, Ben se convence de que ele foi vítima de um crime de ódio e se propõe a ajudá-la a provar que se tratou de um assassinato. Sem perceber, Ben inicia uma jornada que o leva a descobrir quem realmente é, e o que deseja da vida. Seu futuro, cuidadosamente traçado, torna-se incerto, pois ele passa a questionar tudo à sua volta, desde o emprego como professor de História, até o relacionamento com sua noiva. Quando a conheceu, Ben tinha ficado impressionado com seu otimismo e sua autoconfiança. Com o tempo, porém, ela apenas reforçava nele a sensação de solidão que o fazia relembrar sua infância problemática. Essa procura pelas respostas o deixará dividido entre a responsabilidade e a felicidade, entre seu futuro há muito planejado e as escolhas que podem libertá-lo da delicada teia de mentiras que ele construiu. Esta, enfim, é uma história fascinante sobre o que devemos às pessoas, o que devemos a nós mesmos e o preço das decisões que tomamos.



- Faça o que você achar que deve fazer, Ben.



Toda a história parte do momento em que Ben Bailey, professor adjunto de História na Universidade de Flagstaff, encontra o corpo de um jovem índio espancado e desmaiado na entrada de sua casa. Uma cena que, certamente, impactaria qualquer pessoa nessa vida. E como ele se recordava de ter visto o garoto no bar, onde trabalhava para complementar a sua renda procurou saber como tudo aquilo havia ocorrido. Nessa empreitada, ele conhece Shadi, irmã do rapaz assassinado, e decide ajudá-la na empreitada de encontrar quem matou o jovem navajo de nome Ricky. E, como a sinopse acima informa, a jornada o leva em direção de uma jornada conturbada acerca de quem ele é e do que ele estava fazendo da sua, assim como, mostra como as escolhas são fruto de uma cadeia intrincada demais de eventos que nem sempre nos direcionam para o caminho da felicidade.

O problema é apenas um. Você não se simpatiza em nenhum momento pelo protagonista! Eu passei as 336 páginas pasma em quão problemático Ben era. Somos, por várias vezes, remetidos a infância dele, numa clara e frustrada tentativa de justificar suas ações ou comportamentos, onde foi traumatizado pela perda brusca de sua irmã, Dusty, e de todas as consequências desse evento, como a depressão da mãe, a separação dos pais e por aí vai. Eu sei que esse tipo de coisa realmente mexe com todo o psicológico de uma pessoa, quanto mais de uma criança, todavia, Ben apenas me passava a sensação de ser uma criança egocêntrica demais que foi confrontado com a perda de algo que era seu. E quando ele se vê enfrentando problemas com sua noiva, com seu trabalho, ele simplesmente se esconde e age de modo egoísta, sentindo prazer na tristeza dos outros ao seu redor, ou de pensar que só ele tem problemas, que só ele se sente infeliz, e que por isso ou ostros também deveriam se sentir miseráveis para acompanhá-lo.

Então, quando li uma sequência de escolhas dando errado e a vida dele tomando um giro no sentido anti-horário ao desejado por ele e como ele reage a isso, simplesmente ficava chocada em quão necessitado de uma terapeuta esse cara era. Sabe? As vezes, ele também precisava de um exorcista porque, caramba! Que as nossas escolhas sempre trazem consequências para as nossas vidas e para a daqueles que nos cercam, eu já sabia, mas Ben é terrivelmente azarado (se você partir do fato que ele não tem culpa de todas as ações cometidas). Por isso tudo, eu escolhi a frase acima como principal citação do livro, pois ela resume muito bem o espírito do livro: o Ben agindo como ele acha que deve fazer e não de um jeito correto.

O livro tem uma divisão em 4 partes: Um Mundo Azul, Um Mundo Amarelo, Um Mundo em Preto em Branco e um Mundo Brilhante. EU confesso que só entendi a razão dos nomes nas duas primeiras partes... A cor azul relativo ao inverno em Flagstaff, onde acontece os eventos da primeira parte, e a amarela relativo ao clima desértico de Phoenix, onde se passa a segunda etapa da história. Porém as outras duas, não conseguiram me trazer algo coerente, sabe? A respeito da edição, a Novo Conceito foi de um extremo cuidado e dedicação porque é simplesmente LINDO! A capa possui elementos brilhantes por toda a extensão frontal e os kits estão lindíssimos, com uma capa de chuva de brinde. Um charme!

Porém, tirando a beleza exterior e a sinopse, o livro foi uma grande decepção literária pra mim. Não sei se foi porque eu esperava muito, mas T Greenwood não foi muito feliz em sua proposta. Pelo menos pra mim.

O que você achou do livro?




Nenhum comentário:

Postar um comentário