quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Orgulho e Preconceito - Jane Austen

A chegada de dois jovens — o rico e promissor Charles Bingley e seu amigo, o altivo e ainda mais rico Fitzwilliam Darcy — à vila de Longbourn causa um grande alvoroço entre as moças da região. Especialmente na família Bennet, cujas cinco filhas — a bela Jane, a sensata Elizabeth, a culta Mary, a imatura Kitty e a desvairada Lydia — foram criadas com um único propósito na vida: encontrar um bom marido. Tudo o que elas desejam são os intermináveis compromissos sociais, bailes e jantares, oportunidades perfeitas para cumprirem seu destino. O que não parece muito difícil após a chegada dos dois rapazes, pois Bingley logo se interessa por Jane. A sorte de Elizabeth, no entanto, é inteiramente diferente da de sua irmã — ao conhecer Darcy ela imediatamente o acha arrogante e convencido. Darcy, por sua vez, também não parece ter inclinação alguma em se encantar pela inteligência e a perspicácia de Elizabeth — seus comentários irônicos só conseguem irritá-lo ainda mais. Além disso, pertencem a classes sociais completamente diferentes. Darcy aborrece Elizabeth, ela o incomoda — eles parecem determinados a se detestar para sempre.
E é assim que ficamos sabendo que eles devem se casar. Mas antes disso, terão de descobrir o que está além das impressões que têm um do outro e lutar contra os sentimentos contraditórios que oscilam entre a paixão, o orgulho e o preconceito, para finalmente descobrir que o amor só é verdadeiro quando acontece à segunda vista.


Quem sou eu para falar qualquer coisa a respeito de Jane Austen? Eu, uma simples blogueira e amante da leitura, me vi completamente apaixonada pelo romantismo delicioso, pelo olhar interno da sociedade inglesa que se modificava e de uma autora que fez de sua obra um clássico de necessária leitura até os dias de hoje. Você nunca poderá dizer que gosta ou não de romance, se nunca teve o prazer de apreciar uma boa leitura de Austen. E pra começar, sugiro Orgulho e Preconceito.

Eu confesso que não parti direto para o livro. Na época que comprei o livro (ou que fiz meus pais rodarem RJ inteiro atrás dele - estava esgotado em todas as livrarias), eu estava apaixonada pelo filme britânico da história. Sim, aquela obra prima (que prometo resenhar aqui na primeira oportunidade!) com Keira Knightley e Matthew MacFayden. Eu vi o filme umas duas vezes, vi os numerosos extras a respeito da escolha dos cenários, da história por trás do livro, e fiquei curiosa de ler o livro. Fiquei super feliz quando o peguei nas mãos, e comecei a ler na véspera de Carnaval.

Levei-o na mala, e no tempo de descanso do almoço, adivinha o que estava fazendo? Lendo. Entrava na piscina de manhã e a tarde eu não conseguia desgrudar meus olhos do livro. Eu estava mergulhada na leitura da história de Mr. Darcy e Elizabeth de uma maneira tal que nem me importava o Sol lá fora! Apenas tinha que saber como eles dois iriam ficar juntos...

E o melhor de tudo é que eles se odeiam no início do livro. São orgulhosos e preconceituosos em suas afirmações e gostos e conforme passa o livro, vão tendo suas opiniões transformadas ao se conhecerem melhor. Como dizer para a pessoa que você achava horrível e sem modos que você se apaixonou por ela? Como dizer para o homem que você jurou odiar por ser arrogante e mesquinho que na verdade errou no seu primeiro julgamento?

O livro te faz pensar: Quantas vezes a gente julgou alguém sem antes conhecê-lo? Um olhar, uma frase fora de contexto, um dia que talvez não era bom, nos leva a criar um conceito que, não poucas vezes, é o mais errado para definir a pessoa. E se esse for o amor da sua vida? Você é capaz de passar por cima do seu orgulho e dos seus preconceitos por um amor?

Recomendo a leitura desse livro, lembrando aqui que é um clássico. Foi escrito em 1796 e descreve a sociedade e o modo de vida que a própria autora vivia. Portanto não espere uma leitura fluida e fácil. Usa-se uma escrita rebuscada, o que é normal em decorrência da época. Porém em nada isso impede ou dificulta a leitura... é delicioso!

Boa leitura!

PS: Eu tenho e li pela edição da Civilização Brasileira (que é muito boa e é essa capa que coloquei no post), porém, a versão deles estava esgotada (dá pra encontrar na Saraiva). A Martin Claret, a L&PM Pockets, a Landmark e a Cia das Letras estão com edições novíssimas! Então aproveitem o novo surto Austen nas editoras e garanta a sua pedida de clássico!